Textos e Notícias - Slow Food Brasil http://www.slowfoodbrasil.com/textos Fri, 01 Jul 2016 07:29:23 -0300 Joomla! - Open Source Content Management pt-br Arraiá do Marquito na Ilha de Santa Catarina: livre de transgênicos! http://www.slowfoodbrasil.com/textos/noticias-slow-food/1083-arraia-do-marquito-na-ilha-de-santa-catarina-livre-de-transgenicos http://www.slowfoodbrasil.com/textos/noticias-slow-food/1083-arraia-do-marquito-na-ilha-de-santa-catarina-livre-de-transgenicos cartaz arraia

Domingão passado a Festa Junina Livre de Transgênicos de Florianópolis foi no Arraiá do Marquito, manézinho quiridu membro fundador do Convívio Engenhos de Farinha Slow Food. Vou te dizete uma coisinha pa ti o festerê teve um arraso porque a jecaiada toda se juntou para fazer acontecer um arraiá colaborativo,animado, amoroso, sustentável e é claro livre de transgênico! Quem chegou de bicicleta ganhou foi logo um quentão. E todo mundo tava montado na jequice, só dava mané cafuçu e caipira.. A turma tava jeca mas tava jóia, cada um levou a sua caneca e deu suas contribuição voluntária pra festa, seja em guloseima junina, em lenha, em apresentação musical, ajudando na decoração ou puxando brincadeiras com os jequinhas que se divertiram pra valer. Marquito, dás um banho de auto-gestão, mas os jeca tava doido mesmo era pra ganhar o minhocário que foi sorteado entre os voluntário do arraiá E tava frio sô mas com os caldinhos quentinhos e um foguerão de São João lindão todo mundo se aqueceu. E o transgênico é bão? É mintiiiira!! Bolo de milho, pipoca, canjica, teve sim sinhô, mas era tudo de milho criolo, que fartura! Fora as delícias da mandioca, a rainha do Brasil. Teve até bolo de bertalha, coisa estrondosa.. A cervejinha era artesanal no estilo Slow Bier da Bugio e a pinga, mas é craro que era do Engenho do Zeca no Sertão do Peri! E o arrasta pé não parou não, era samba de roda com sambadô profissional, Forro de Pé de Serra cum sanfoneiro bão da cidade e até discotecagi muderna, tax tolo?! Claro que num podia fartá um boi-de-mamão pro povo brincá! E era um tar de fora temer pra lá e pra cá.. Cê já viu um Arraiá bão assim? Mas esse é o níver das Festa Junina Livre de Transgênico, sô, num bobeia não e faiz a sua qui nem a jecaiada do Marquito lá em Floripa!

[fotografia sandra alves]

IMG 8911

IMG 8918

IMG 8895

IMG 8915

IMG 8922

IMG 8904

IMG 8914

 

]]>
Textos e Notícias Tue, 21 Jun 2016 00:14:07 -0300
Os significados da fome http://www.slowfoodbrasil.com/textos/alimentacao-e-cultura/1082-amalia-leonel http://www.slowfoodbrasil.com/textos/alimentacao-e-cultura/1082-amalia-leonel “Se a gente é o que come, quem não come nada some,
por isso ninguém enxerga essa gente que passa fome”.
(Victor Rodrigues)

Arnaldo Antunes ComidaQuais as necessidades humanas? De que temos fome? Se tomarmos como mote para essa discussão a música Comida, dos Titãs, podemos encontrar alguns eixos norteadores que ampliariam nossa visão da fome como um problema não apenas individual como também social, político, cultural, perpassando questões como cidadania, igualdade, desejo/prazer e outras necessidades humanas que ultrapassam as carências nutricionais ou desnutrição. Ainda que o acesso à comida fosse universal, ele não deveria ser homogeneizante, como satiriza a letra dos Titãs: “Bebida é água! Comida é pasto!”.
Em nosso país, a construção de conceitos como fome, desnutrição, insegurança alimentar têm um vasto histórico na formulação de políticas públicas, tornando-se emblemática a luta e combate à fome, defendida por grandes pesquisadores, instituições e governos, em diferentes perspectivas até os dias de hoje. Mas o pensamento coletivo sobre a fome, essa necessidade crônica de tantos, que expõe carências humanas diversas, medos e uma insegurança diária sobre não ter o que comer, ainda parece ser pouco escutado. Escuta que pressupõe um protagonismo nesse querer “não só comida”, mas autonomia no comer/alimentar-se, domínio de suas práticas alimentares e comensalidades, melhorias de qualidade de vida e cidadania.
Assim, buscando qualificar nossa escuta sobre os significados da fome, propomos aqui uma breve reflexão a partir da análise de alguns estudos qualitativos em que as temáticas fome, insegurança alimentar e simbolismo da comida estão presentes e cuja discussão transita entre a cultura e a biologia. Entre esses estudos, selecionamos uma profunda e visceral etnografia produzida por Maria do Carmo Soares de Freitas (2003) realizada no convívio com moradores do Pelá, sobre a agonia da fome numa periferia de Salvador, Bahia. Escolhemos também um estudo com foco nos significados da comida para consumidores pagantes e não-pagantes de um restaurante vegetariano localizado na região central de Pelotas, Rio Grande do Sul, por Tiago Lemões da Silva e Cláudia Turra Magni (2008). E, somando-se a esses, elegemos uma etnografia realizada em duas distintas comunidades rurais da província de Nampula, Moçambique, onde Jone Mirasse e Renata Menasche (2010) problematizam a produção e consumo de uma batata doce estrangeira inserida no país por meio de incentivo governamental como resposta a problemas de desnutrição.
Sem a intenção de analisar em profundidade o detalhamento e diversidade desses trabalhos, é aqui proposta a discussão de algumas categorias, significados e sentidos convergentes e até mesmo contraditórios entre si, a fim de enriquecer o debate sobre problema tão universal e significante em seu combate, quanto particular e invisível em sua vivência, tal qual é a fome.
batata doce de polpa alaranjadaTabu de nossa civilização, comparada por Josué de Castro (1984) ao sexo, como “indignos de serem tocados” e “mantidos por um silêncio opressor”, a fome é apresentada a Freitas (2003) em Salvador como uma palavra “velada, escondida e substituída por símbolos” e gestos, um “tabu linguístico”, “signo da maldição”, numa tentativa de distanciamento, embora não haja a negação da condição faminta (desde que enunciada nos quadros social e político, mas apagada de seus corpos e membros familiares). Mirasse e Menasche (2010), quando analisam as categorias classificatórias nativo, cativo e estrangeiro no que diz respeito às preferências alimentares em Nampula quanto à mandioca, batata doce de polpa branca e batata doce de polpa alaranjada, respectivamente, se depararam com certo distanciamento pelos moradores. A batata doce de polpa alaranjada, símbolo do programa de massificação do governo para proporcionar alimento nutritivo e tida como estrangeira pelos moradores, “portanto, digna de desconfiança, sendo a causa de todo mal, provoca azar, sendo por isso abominável”, é, muitas vezes, evitada no âmbito doméstico, no seu uso em casa, com a família e em festas comunitárias (Mirasse e Menasche, 2010).
Para Mirasse e Menasche (2010), o comportamento dessa comunidade é distinto e contraditório na medida em que a batata é servida em festas para receber e agradar os técnicos estrangeiros envolvidos no programa e aparentar que está tudo bem, repetindo, sem gaguejar, o discurso do estrangeiro. Essa contradição aparece também na fala de um senhor de Nampula, quando afirma que “A gente não produz nem come batata doce, até porque faz bem para as crianças aprenderem, mas não mais do que isso, porque o seu consumo não traz saúde”. agonia da fome Maria do Carmo de FreitasFreitas (2003), por sua vez, encontrou diversas oposições, contradições, negações e distanciamentos no discurso daquela comunidade em Salvador, “numa dinâmica conflituosa entre o real e o simbólico”. Estas, também “estreitamente vinculados às questões gerais da sociedade”, com sentidos e sensações negadas dentro e fora do corpo, reafirmadas no mesmo palco, onde fraco/forte, coragem/covardia são “semanticamente representações opostas, mas que possuem um elo que se encontra na presença-ausente de fome e vice-versa” (Freitas, 2003).
Num mundo de dimensões objetivas e subjetivas, a fome torna-se a maior adversária dos moradores do Pelá em Salvador, vira “a coisa”, bicho/besta, uma fera, a encarnação da fábula Romão, externalizada na tentativa de “coibir a fusão do corpo com a imagem que cria, essa alegoria que está no real”, tomada como um caráter de entidade (Freitas, 2003). Para Mirasse e Menasche (2010), outra entidade aparece no discurso dos moradores, para além do programa de massificação do governo: o mundo invisível, que, em oposição ao programa, viria “reivindicar seu lugar, colocando abaixo os esforços da primeira entidade e desacreditando-a, ao deixar esse povo doente, com fome e, como consequência, vivendo sob insegurança alimentar e nutricional”.
Também estariam relacionados a uma consequente insegurança alimentar a comensalidade, as maneiras de cozer e comer, os instrumentos e utensílios utilizados na cozinha. Para Mirasse e Menasche (2010), num relato de um morador de Nampula, cozinhar “de qualquer jeito”, cozinheira mal-humorada, usando temperos industrializados, em panela de ferro/alumínio em oposição à panela de barro, fogão elétrico/gás ao invés de fogão à lenha, não traria “harmonia entre o biológico e o espiritual para completa sensação de prazer” e saúde. Assim como em Pelotas, servir a comida aos não-pagantes em sacos plásticos, sem manusear pratos e talheres, do lado de fora do restaurante, é vista por esses consumidores como algo depreciativo, “é pensar-se como um bicho”, pois na fala deles: “ninguém é bicho!”, “só como assim, com as mãos, quando tô com fome” (Lemões da Silva e Magni, 2008).
Esteve presente nesses estudos também a vergonha pela situação de fome. Se em Nampula a produção e o consumo da batata doce de polpa alaranjada para aliviar a insegurança alimentar e nutricional “subvertem, culturalmente, a honra e o prestígio” e trazem valoração negativa àquelas famílias (Mirasse e Menasche, 2010), em Pelotas, as sobras doadas em fila e silêncio aos não-pagantes, para serem comidas do lado de fora, distante do restaurante, em sacos e sem talheres é rejeitada por alguns (Lemões da Silva e Magni, 2008) e, no Pelá, a fome crônica é percebida “não como uma doença, mas antes, um estado de desvalorização social do sujeito perante o mundo, a sociedade (...), pois os famintos não só se sentem humilhados, como se percebem sem qualquer esperança de sair das condições sociais em que vivem” (Freitas, 2003).
Se para a antropóloga Mary Douglas, “fome não é falta de comida, mas ausência de relações sociais e culturais” (Douglas, 1975 e 1982, apud Gonçalves, 2004), “os alimentos desempenhariam diversas funções, mas não exclusiva ou principalmente aquela de alimentar ou satisfazer a fome como necessidade natural” (Gonçalves, 2004). Aqui, acima de tudo e portanto a fome parece ser principalmente de autonomia, dignidade e cidadania, num sistema político-social perverso, que marginaliza o faminto e silencia seu protagonismo.

Referências bibliográficas

CASTRO, Josué de. Geografia da fome: o dilema brasileiro: pão ou aço. Rio de Janeiro: Ed. Antares, 1984.
FREITAS, Maria do Carmo Soares de. Agonia da fome. Salvador: Ed. UFBA, 2003.
GONÇALVES, José Reginaldo Santos. A fome e o paladar: a antropologia nativa de Luis da Câmara Cascudo. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 33, 2004, p. 40-55.
LEMÕES DA SILVA, Tiago; MAGNI, Cláudia Turra. Entre mesas e bancos de praça: o trajeto simbólico da comida de um restaurante ecológico. Site Slow Food Brasil. 2008.
MIRASSE, Jone; MENASCHE, Renata. Nativo, cativo e estrangeiro: categorias alimentares e percepções sobre Segurança Alimentar e Nutricional. In: IV Encontro da Rede de Estudos Rurais, Curitiba, 2010.
RODRIGUES, Victor. “Versos Vegetarianos”, Corpo e Alma, poema musicado por (Musicado por Inquérito e Arnaldo Antunes .

* Amália Leonel Nascimento é nutricionista, mestre em Nutrição e Saúde Pública (UFPE) e doutoranda em Desenvolvimento Rural (UFRGS). Dedica-se a estudos na área de Saúde Pública, Segurança Alimentar e Nutricional, Desenvolvimento Humano e Reforma Agrária.

]]>
Textos e Notícias Sat, 11 Jun 2016 12:02:42 -0300
Programação Disco Xepa Day http://www.slowfoodbrasil.com/textos/noticias-slow-food/1081-programacao-disco-xepa-day http://www.slowfoodbrasil.com/textos/noticias-slow-food/1081-programacao-disco-xepa-day Confira as Disco Xepas que fazem parte do Disco Xepa Day:

DXD

]]>
Textos e Notícias Thu, 02 Jun 2016 20:56:50 -0300
Festa Junina Livre de Transgênicos na Horta das Flores http://www.slowfoodbrasil.com/textos/atividades-dos-convivia/1080-festa-junina-livre-de-transgenicos-na-horta-das-flores http://www.slowfoodbrasil.com/textos/atividades-dos-convivia/1080-festa-junina-livre-de-transgenicos-na-horta-das-flores FJLT_2016_Horta_das_Flores.jpg

]]>
Textos e Notícias Wed, 25 May 2016 20:39:03 -0300
Festa Junina Livre de Transgênico 2016 http://www.slowfoodbrasil.com/textos/noticias-slow-food/1079-festa-junina-livre-de-transgenico-2016 http://www.slowfoodbrasil.com/textos/noticias-slow-food/1079-festa-junina-livre-de-transgenico-2016 O período dos festejos juninos se aproxima e pelo segundo ano estamos ativamos a campanha da Festa Junina Livre de Transgênicos (FJLT), promovida pelo Grupo de Trabalho (GT) Sementes Livres, do Slow Food Brasil.

O GT nasceu em 2015 das articulações em protesto ao Projeto de Lei (PL) 4.148/08 - de autoria do Deputado Federal Luis Carlos Heinze (PP/RS) - que desobriga a rotulagem de alimentos contendo ingredientes transgênicos, sendo uma grave violação do direito dos cidadãos a informação sobre os alimentos. A aprovação desta lei na Câmara dos Deputados, ainda em abril daquele ano, impulsionou a articulação dentro da rede para a criação da campanha da FJLT. Atualmente o PL tramita como PLC 34/15 no Senado Federal.

O GT Sementes Livres adota duas campanhas internacionais do Slow Food: a de luta contra transgênicos na agricultura e alimentação e da promoção da agrossociobiodiversidade pelas sementes crioulas, não-patenteadas (não-híbridas e não-transgênicas).

]]>
Textos e Notícias Wed, 25 May 2016 19:18:11 -0300